sexta-feira, 17 de março de 2017

Primeiro a FRUiTS, agora a Baby: o que está havendo?


Depois do fechamento das lojas físicas da h. Naoto ano passado, temos agora duas notícias de fechamento - primeiro a revista FRUiTS, que estava na ativa há quase vinte anos e, de acordo com alguns boatos, a próxima a fechar seria a Baby de Paris. Mas será que há motivo para pânico?

FRUiTS ainda vive, e isso independentemente de lolitas


É inegável o papel que a FRUiTS teve na divulgação da moda japonesa de rua alternativa para o mundo. Apesar de a revista ter anunciado seu fim, ela continua ainda por outros meios - o próprio Shoichi Aoki afirmou em uma entrevista para a Tokyo Fashion (Clique aqui) que continuaria a documentar a cena das modas alternativas de Harajuku, publicar novos livros da FRUiTS, além de trabalhar em projetos relacionados à Harajuku. Não quer dizer especificamente que a moda de rua alternativa de Harajuku esteja fadada a acabar, ou algo assim. Na verdade são vários os fatores para que a FRUiTS deixe de ser publicada, e isso inclui a "morte" das revistas impressas num geral; os poucos anúncios que eram publicados naquela revista - poucos anúncios que significavam pouco dinheiro; bem como o advento das redes sociais que faz com que seja mais fácil acompanhar a moda de rua alternativa japonesa: basta entrar em alguma página relacionada no Facebook, ou mesmo nos perfis das pessoas no Instagram ou outras redes sociais. Além disso, o próprio Aoki estava descontente com o que via nas ruas. Isso quer dizer que a moda de rua alternativa acabou? Não. Apesar de ter realmente uma mudança na moda de rua alternativa japonesa, por marcas de fast fashion, como a Uniqlo e outras, a moda de rua alternativa não morreu. O próprio Aoki disse que não gostava dos estilos que via as pessoas usando na rua e não tem vontade de fotografar isso para a revista. Isso inclui lolita.

Em uma entrevista para o programa The Night Air, da ABC (Clique aqui), datada de março de 2003, quando questionado sobre lolita, ele diz não gostar:

[...] Tony Barrell: Uma moda estranha que eu gostaria de fazer um comentário é, eu chamaria de "Little Women" também visto como referido como "Gothic Lolita" e que é garotas jovens, bem jovens, quinze ou dezesseis anos, vestindo roupas de empregada doméstica, com cabelo cacheado em anéis e chapéus pequenos e muita renda branca e meias calças, elas se parecem com garçonetes ou empregadas domésticas vitorianas do século XIX. Como você chama essa moda?

Shoichi Aoki: Este Gothic Lolita só surgiu há cerca de um ano, por isso é muito novo. Houve esta moda Lolita que esteve por aí um tempo. Gothic Lolita começou como uma tendência muito pequena, mas está se espalhando, é uma espécie de efeito multiplicador e há outras pessoas vestindo essas roupas. Pessoalmente eu não gosto muito, é um pouco brega.

Tony Barrell: Então o seu gosto importa então?

Shoichi Aoki: Meu gosto é: tem que ser original, algo que é alto em originalidade, não muito obcecado com marcas e algo que é misturado, você sabe, muitas coisas misturadas e em camadas. [...]

Assim, independentemente do destino da FRUiTS, a moda lolita continua existindo.

O Boato do Fechamento da Baby Paris
Photo from Hello Naka. Grace, I miss your posts!

Algumas semanas atrás surgiu um boato de que a Baby de Paris iria fechar suas portas em Maio. Apesar de a própria Baby ainda não ter se manifestado em sua página da loja de Paris, há grande preocupação quanto a isso. Mas será que a preocupação não está em exagero?

Muitos apontam essa possibilidade de fechar como sendo algo mais por má gestão do que pela moda lolita estar em crise. Primeiramente, de acordo com o que andam comentando, a AP de Paris era muito mais fácil para as europeias num geral do que a Baby, uma vez que para vender para outros países a Baby de Paris disponibiliza apenas transferência bancária, não aceitando Paypal, enquanto a AP de Paris ao que parece aceita vários métodos, Paypal incluso. Outro fator levantado seria a localização, uma vez que a AP de Paris está localizada nas ruas turísticas, enquanto a Baby, apesar de estar perto do Sena, fica mais longe. O que isso significa? Significa que é mais provável que um turista que não conheça lolita entre na loja da AP do que da Baby. Sem falar na questão dos custos de manter uma loja de nicho em um lugar caro como Paris, onde apesar de ambas as lojas não estarem nos locais de aluguel mais caros, ainda assim são locais com aluguel elevado e custos de manutenção idem. Sem contar que, com a AP de concorrência aceitando outros métodos de pagamento para envio internacional, a Baby acaba em desvantagem.

Mesmo que no mais tardar em Maio tenhamos a confirmação desse boato, a moda lolita não está em decadência a ponto de deixar de existir. "Mas eu ouvi de blogueira x que não tem mais lolitas no Japão!" Isso é tão verdadeiro quanto as roupas da Dream of Lolita. Só porque em x dia você não viu, não quer dizer que não existam. Aliás, traduzi um post esses dias, que você pode ler AQUI btw, que fala justamente da mudança de "comportamento" das lolitas japonesas, e eu realmente as entendo e apoio, porque é super incômodo você andar na rua e ter um monte de gente enchendo o saco e tirando fotos sem permissão. Sem falar que, com tantos cafés temáticos e lugares legais para ir no Japão, para quê ficar horas andando por Harajuku, sendo perturbada por turistas chatos enquanto você pode estar sentada confortavelmente em um café temático super digno de fotos, debaixo de ar condicionado e comendo coisas gostosas? Vamos ser coerentes né. Até eu percebi que eu mesma estou abandonando de vez eventos de anime e preferindo ir em cafés, já não tenho paciência de ficar sentada no chão em evento de anime lotado, usando burando e tendo dificuldade com banheiros químicos (eca) e caras inconvenientes em eventos de anime.

Pessoalmente, não acredito em uma grande decadência da moda lolita. Cada vez mais temos mais opções de indie brands; temos visto ao longo dos anos várias tendências em lolita, e uma moda que tem tantos adeptos assim não some facilmente. É inegável a influência das lojas, mas se numa hipótese remota e absurda todas deixassem de existir, ainda assim haveriam adeptos fazendo suas próprias roupas, afinal, não foi assim que começou em primeiro lugar?

Don't panic.

(Edit 11/04/2017) - Baby anuncia o fechamento da loja de Paris em sua página online:


5 comentários:

  1. Dando meu parecer sobre a Baby, quando eu fui visitar fui bem mal atendida e os itens que tinha lá, além de bem caros, eram muito medianos. Itens famosos como usakumya só havia em cores não tão populares como o preto, por exemplo. Tinha muito pouca coisa, também. Basicamente é um lugar que tu vai uma vez e não sente vontade de voltar :/ talvez isso tenha feito a loja perder popularidade.

    ResponderExcluir
  2. Dando meu parecer sobre a Baby, quando eu fui visitar fui bem mal atendida e os itens que tinha lá, além de bem caros, eram muito medianos. Itens famosos como usakumya só havia em cores não tão populares como o preto, por exemplo. Tinha muito pouca coisa, também. Basicamente é um lugar que tu vai uma vez e não sente vontade de voltar :/ talvez isso tenha feito a loja perder popularidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que esse seja um dos grandes motivos por trás do fechamento da loja!

      Excluir
  3. Não sabia dessa história da Baby, mas os argumentos são bons. Eu fui bem atendida lá (fui em 2010), mesmo que o cara não tenha sabido falar mto inglês (sim, era um homem japonês no atendimento). Os argumentos sobre a revista Fruits tb fazem muito sentido - internet é mais rápido, global e gratuito. Mas ainda dá dorzinha no coração ç-ç~
    Parabéns pelo post!
    Sussurro do Ar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dá mesmo... É complicado que a moda japonesa num geral está meio que em transformação... Mas acredito que lolita não vá sofrer tanto com isso, acho que as mudanças que ocorreram no estilo foram até que benéficas, mas não acredito que vá desaparecer, pelo menos não tão cedo nas próximas décadas.

      Excluir

Seja bem vindo (a)!
É muito gratificante ter sua opinião registrada aqui!
Deixe o link de suas redes sociais para que eu possa retribuir seu comentário. Todos os comentários são devolvidos.